terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Redução de Custos – Melhorar a Remuneração

A estratégia de crescimento de empresas precisa incluir uma política clara e objetiva de remuneração a funcionários. Um administrador lida, com frequência, com o dilema de reduzir a folha salarial de sua empresa. Cortar traz alívio imediato às finanças, mas, no longo prazo, pode significar perda de competitividade.

Esse tipo de estratégia é um tiro no pé, principalmente em setores que lidam diretamente com o consumidor, como varejo e serviços.

Faz parte da rotina de qualquer gestor de empresa comandar uma reestruturação para reduzir custos. O caminho mais fácil é cortar empregos e salários, mas isso costuma derrubar a produtividade no longo prazo. Por isso, é imprescindível que a companhia busque a excelência operacional.

No caso do varejo, uma área que eu estudo com mais ênfase, é preciso tomar decisões difíceis, como reduzir a oferta de produtos ou até mesmo o horário de funcionamento das lojas. Piorar a remuneração dos funcionários, só em último caso. Quem paga bem costuma vender mais e melhor.

Existe uma falsa sabedoria de que a melhor e talvez única maneira de oferecer os preços mais baixos e ser rentável é pela via do enxugamento total de custos. E isso passa pelos salários. O que é preciso saber, porém, é que um empregado bem remunerado é também mais comprometido com o bom desempenho da empresa.

Muitas companhias dizem que seus funcionários são seu maior patrimônio, mas poucas colocam essa filosofia em prática. Para setores que lidam diretamente com o consumidor, investimento em recursos humanos e um bom atendimento são indissociáveis.

Uma das grandes razões da economia ser tão ruim é que as grandes empresas estão acumulando dinheiro e "maximizando os lucros", em vez de investir em seu povo e projetos futuros.

Se os trabalhadores não são pagos decentemente, eles não podem gastar muito dinheiro comprando produtos e serviços. E quando não podem comprar produtos e serviços, as empresas que vendem produtos e serviços não podem crescer. Assim, a obsessão de lucro de grandes empresas é, ironicamente, prejudicando sua capacidade de acelerar o crescimento da receita.

Uma solução óbvia para este problema é para as grandes empresas a pagar as suas pessoas mais - para compartilhar mais da vasta riqueza que eles criam com as pessoas que criam.

As empresas têm margens de lucro recorde, para que eles possam certamente dar ao luxo de fazer isso. Mas, infelizmente, ao longo das últimas décadas, o que começou como um esforço saudável e necessário para tornar as nossas empresas mais eficientes evoluiu para um consenso deformado que o único valor que as empresas criam é financeiro (dinheiro) e que os únicos gerentes e proprietários nunca deve se preocupar é fazer mais do mesmo.

Este ponto de vista é um insulto a quem já sonhou em ter um emprego que é mais do que dinheiro. E é uma visão míope e destrutiva do capitalismo, um sistema econômico que não sustenta apenas neste país, mas a maioria dos países do mundo.

Este ponto de vista tornou-se profundamente enraizada, apesar de tudo.

Hoje em dia, se você sugerir que grandes empresas devem servir vários círculos eleitorais (clientes, funcionários e acionistas) e que empresas devem compartilhar mais de sua riqueza com as pessoas que os geram (funcionários), você é chamado de "socialista". Você se chamou de "liberal". Você fica informado de que você "não entende de economia." Você começa acusado de promover o "confisco de riqueza. "Você fica informado de que, as pessoas são pagas pelo que elas merecem receber." Conseguir um emprego melhor" Qualquer um que quer mais dinheiro deve sair e "começar a sua própria empresa" ou "exigir um aumento" ou...

...Em outras palavras, você é informado de que qualquer um que sugere que as grandes empresas devem compartilhar o valor que eles criam com os três círculos eleitorais em vez de apenas forrar os bolsos dos acionistas é um idiota.

Afinal, essas pessoas dizem, uma lei do capitalismo é que os empregadores pagam aos seus empregados o mínimo possível. Os funcionários são apenas "os custos." Você deve tentar minimizar esses "custos", sempre e sempre que puder.

Este ponto de vista, infelizmente, não é apenas egoísta e degradante. Também é economicamente estúpido. Os "custos" que você está minimizando (empregados) também são clientes atuais e potenciais para a sua empresa e outras empresas. E quanto menos dinheiro que eles têm, menos produtos e serviços que eles vão comprar.

Obviamente, as pessoas que possuem e dirigem grandes corporações querem fazer tão bem quanto eles podem por si mesmos. Mas o ponto-chave é:

Não é uma lei que pagam seus funcionários o mínimo possível?

É uma opção?

É uma escolha feita por gerentes e proprietários que querem manter o maior percentual possível de riqueza de uma empresa por si?

É, em outras palavras, uma escolha egoísta.

É uma escolha que revela que, independentemente do que eles dizem sobre o quanto eles valorizam seus funcionários, independentemente do que eufemismo que usam para descrever seus empregados ("associados", "parceiros", "representação", "team-Membro"), eles, na verdade, não dão a mínima para seus empregados.

Estes gerentes e proprietários, afinal de contas, estão ganhando lucros recordes, enquanto a escolha de pagar seus empregados tão pouco em muitos casos, que os funcionários têm de viver na pobreza.

E os dirigentes e proprietários adicionar insulto à injúria, culpando os funcionários para isso: "Se eles querem receber mais, eles devem começar a sua própria empresa ou conseguir um emprego melhor.".

Não é nenhum mistério por que os gerentes e proprietários descreve a decisão de pagar os funcionários tão pouco quanto possível, como uma "lei do capitalismo": porque isso mascara o fato de que eles estão fazendo uma escolha.

Mas é uma escolha?

É importante ressaltar que, se as grandes empresas estavam lutando para ganhar dinheiro, como eram no início de 1980, nós não estaríamos tendo esta conversa. Mesmo grandes empresas só foram ganhar lucros médios, isso não seria um problema. Mas a "eficiência" e "valor para o acionista" da unidade, que começou na década de 1980 já foi longe demais para o outro lado.

Os lucros das empresas e as margens de lucro estão em uma alta de todos os tempos as empresas s estão fazendo mais dinheiro e mais por real de vendas do que nunca antes.. Ponto final. Isso significa que as empresas têm oceanos de dinheiro para investir. Mas eles não estão investindo. Porque eles são muito avessos ao risco, o lucro-obcecado, e de curto prazo ganancioso.

A parcela de nossa renda nacional que as empresas estão a partilhar com as pessoas que fazem o trabalho ("trabalho") está em um baixo de todos os tempos. O resto da nossa renda nacional, naturalmente, vai para os proprietários e gerentes seniores. ("capital"), que têm melhor hoje do que já tinha antes.

Em suma, a obsessão com a "maximização dos lucros a curto prazo" que se desenvolveu na nos últimos anos criou uma cultura empresarial em que os executivos dançam ao som de traders de curto prazo e os relatórios trimestrais de lucros, em vez de equilibrar o valor criado para os funcionários, clientes e proprietários de longo prazo.

Se um consumidor é mal atendido, isso prova que o investimento nos empregados é baixo. Além do salário, é preciso treinar, dar promoções e oferecer uma carga horária que permita atividades fora do trabalho.

As empresas que pagam mais também esperam mais de seus funcionários. E a boa notícia é que, normalmente, os funcionários topam esse desafio.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...