segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Redução de Custos - Custos Transportes




Raramente as empresas consideram os custos com transportes de matérias-primas e insumos produtivos. Normalmente esse custo está “embutido” no preço dos materiais adquiridos de Fornecedores, mas se possível, visualize-o separadamente. 

  



A partir do conhecimento desses gastos, você poderá identificar oportunidades de transporte colaborativo ou operações com frota dedicada em circuito fechado.
 
Os custos com a transferência e a entrega de produtos acabados são mais facilmente obtidos, a não ser nos casos em que as empresas operem com frota própria. Isso exigirá a composição dos gastos levando em conta os custos fixos e variáveis.

No caso do frete outbound, procure segregar o frete de transferência do frete de entrega. No caso deste último, procure detalhá-lo ao máximo e monitore-o sobre diferentes formas: frete em relação à receita operacional líquida da empresa (ROL), frete por tonelada expedida, frete em relação ao custo logístico total, frete por pedido, etc.

Alguns questionamentos que devem ser feitos, referentes à gestão e operação da atividade de transportes:

a) Conto com a estrutura adequada para a gestão de transportes? O pessoal tem a devida competência para a contratação e gestão dos serviços de transportes?
b) Conto com uma adequada ferramenta para a gestão de transportes?
c) Está claro para mim, para a minha equipe e para a minha empresa o nível de serviço adequado para os nossos Clientes?
d) Nossos parceiros atendem adequadamente aos requerimentos de serviços desejados? Os níveis de serviços prestados estão alinhados com a realidade de mercado? Não existe necessidade de reavaliar os SLAs – Service Level Agreement?
e) O nível de serviço é constante ou varia “perigosamente”?
f) A sua empresa utiliza (ou contrata) o perfil adequado de veículo?
g) A utilização da capacidade de carga do veículo é adequada? Existe controle sobre o IA – Índice de Aproveitamento?
h) Existem oportunidades de transporte colaborativo ou sinergias com outros Embarcadores no frete-retorno? Seu parceiro logístico é capaz de identificar essas oportunidades que possam ser revertidas em redução de custos?
i) Existe gestão sobre as não conformidades em transportes, como entregas não-realizadas, re-entregas, estadias, avarias, etc.?
j) As cargas são unitizadas de tal forma a minimizar o impacto em avarias e devoluções?
k) As devoluções são analisadas em profundidade? Outros motivos para a incidência de logística reversa também são levados em conta? As despesas com a logística reversa são analisadas separadamente?
l) Os valores pagos aos Transportadores são devidamente auditados?
m) As devoluções são analisadas e as respectivas medidas corretivas e preventivas são adotadas?
n) Outros modais são considerados na escolha da via de transporte?
o) A sua empresa monitora indicadores de custos, produtividade e serviços em transportes?
p) Como otimizar minhas operações logísticas de transportes?
q) Como o transporte rodoviário interage com os demais modais?
r) Quais os critérios corretos para formação de cargas e roteirização?
s) Como administrar a frota com eficiência, com baixos custos e produtividade?
t) Como dimensionar corretamente o tamanho da frota?
u) Como definir qual o momento ideal para renovação da frota?
v) Como realizar uma perfeita auditoria e controle de fretes de terceiros?
w) Como utilizar adequadamente os ativos na área de transportes?
x) Como aproveitar o máximo da sua capacidade de transportes?
y) Como gerir uma manutenção com baixos custos e resultados eficientes?
z) Quais as tecnologias e tendências no transporte rodoviário de cargas?

Passo a Passo para buscar a REDUÇÃO de Custos!
Definir os custos que vou medir.
Mensurá-los. Quanto Custa?
Analisar.
Levantar o nível de serviço do meu Cliente?
Levantar quanto o cliente paga?
Comparar com meus custos operacionais.
Comparar com o mercado.
Buscar oportunidades de redução.
Buscar oportunidades de agregar valor.

Frota Própria ou Terceirizada? Qual a melhor opção?
Qual o fator de decisão?
É uma decisão estratégica ou operacional?
Necessidades específicas de transporte / especialidade.
Nível de serviço Custos x Nível de serviço.
Comparativo de desempenho, riscos e custos.
Balanceamento do custo de estoques com o custo de transportes.
Logística reversa.

Administração da FROTA PRÓPRIA
Administração do ativo.
Veículos / manutenção (corretiva / preventiva).
Abastecimento.
Reparos / trocas.
Licenças, impostos.
Pedágios.
Salários / remuneração de motoristas / encargos.
Alocação de pessoal / alocação de veículos.

Administração da FROTA TERCEIRIZADA
Negociação e contratação de fretes.
Documentação / auditoria dos serviços.
Consolidação de fretes / carga.

Visão de importantes autores...

“Uma série de características da operação, e do setor, também contribui para o processo decisório de propriedade da frota. Dentre estas se destacam:
O tamanho da operação;
A competência gerencial interna;
A competência e competitividade do setor;
A existência de carga de retorno;
E os modais a serem utilizados”. (FELURY)

 " "

“Na prática, sempre que se tiver mais de 60% de utilização efetiva da capacidade operacional do equipamento é conveniente utilizar frota própria para o transporte”. (CHIAVENATO)

Os custos com transportes representam o maior custo isolado da cadeia de logística. A logística tornou-se um ponto estratégico para as empresas que perceberam que não é necessário somente diminuir custo para construir uma vantagem competitiva duradoura é necessário agregar valor. Mas para que isto ocorra é necessário o esforça de todos os setores, pois os clientes são mais exigentes e desejam um maior nível de serviço.


LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...